As Gigantes de TI querem a regulamentação da internet

Redes Sociais alternativas defensoras da liberdade de expressão sofrem perseguição da BIG TEC

GIGANTES DE TI QUEREM A REGULAMENTAÇÃO DA INTERNET

Os gigantes do Vale do Silício tem uma estratégia de monopólio da internet que já está em fase de implantação. Algumas Redes Sociais, criadas para abrigar os banidos pela censura a conservadores e defensores dos valores judaico-cristãos para o Ocidente, tem sentido a pressão monumental que estas empresas fazem sobre aqueles que se atrevem a ser seus concorrentes. Se os usuários sentem-se oprimidos, imagine o que sofrem os empreendedores digitais defensores da liberdade de expressão!

Para que você não tenha que imaginar, mas possa saber detalhes destes abusos, traduzimos um artigo de Andrew Torba, um cristão conservador que se atreveu a criar GABuma Rede Social que garante a LIBERDADE DE EXPRESSÃO a todos os seus participantes. Neste artigo Torba relata os abusos absurdos e prática de TIRANIA contra os quais ele é obrigado a lutar, não só para monetizar e manter sua Rede Social online, mas também perseguições pessoais difamatórias, que atingem a toda a sua família. A seguir, a tradução do artigo, cujo original encontra-se >>> AQUI <<< 

Gigantes de TI praticam abusos para esmagar concorrentes
A guerra da informação na web em defesa da liberdade de expressão
A narrativa da “Seção 230 da Revogação” está sendo promovida pelo Vale do Silício, não caia nessa!
Os gigantes da Big Tech querem ser regulamentados.
Sim, você leu certo. A Big Tech sabe que se o discurso online for regulamentado pelo governo federal, direta ou indiretamente por meio da regulamentação das empresas de tecnologia, eles podem e irão torná-lo uma arma contra o Povo e sufocar a competição.

Os oligarcas da Big Tech tentaram de tudo para destruir Gab.com e impedir que nosso software de livre expressão, líder do setor, alcance as massas.

Eles nos baniram de ambas as lojas de aplicativos , mas ainda assim continuamos a crescer.

Então eles nos baniram dos provedores de hospedagem, então criamos o nosso próprio.

Então, eles nos baniram do Paypal, Stripe, Coinbase, Square e muito mais. Então, educamos nossa comunidade sobre o dinheiro para liberdade de expressão e as ótimas pessoas do Gab começaram a nos enviar cheques físicos para manter o site online.

Então eles colocaram minha família na lista negra da Visa em uma forma de tirania no estilo de pontuação de crédito social do Partido Comunista Chinês.

Apesar de ter sido banido por mais de 25 provedores de serviços, incluindo registradores de domínio, plataformas de hospedagem, lojas de aplicativos, serviços de e-mail, serviços de comércio eletrônico e muito mais: Gab sobreviveu e continua a prosperar.

Gab existe fora do controle do estabelecimento. Eles não gostam disso, de jeito nenhum. Seu monopólio sobre o fluxo livre de informações está chegando ao fim porque Gab é inevitável.

Quando tudo mais falhou, a Big Tech e o sistema estabeleceram seus objetivos em usar o Big Government para esmagar Gab e outras startups de tecnologia alternativa, destruindo a Seção 230 e fazendo lobby para a regulamentação da expressão na Internet.

A regulamentação solidificará os já dominados e abusivos monopólios de mercado da Big Tech.

O que as pessoas precisam entender é que a Seção 230 não protege o discurso das grandes empresas de tecnologia. Quando a Big Tech “verifica” o conteúdo do usuário, ela está agindo como um editor e a imunidade da Seção 230 não se aplica. Como tal, eles podem ser responsabilizados por esse discurso.

A seção 230 não se aplica à editorialização da Big Tech. A Primeira Emenda sim. A seção 230 se aplica apenas ao conteúdo que os usuários publicam em suas plataformas. Ele não oferece proteção para o discurso da própria Big Tech. Eles podem e devem ser punidos pelas informações falsas que estão dando ao público, usando como arma essa editorialização do conteúdo do usuário

No caso do Coronavírus, a Big Tech tem usado a OMS como uma “autoridade” em assuntos relacionados à saúde, em vez das diretrizes oficiais de saúde do Presidente dos Estados Unidos. É uma questão de segurança nacional e saúde pública.

O mesmo vale para a editorialização de conteúdo relacionado a eleições. Ao “verificar os fatos”, um candidato e não outro Big Tech está dando uma contribuição de campanha em espécie de valor monetário enorme e incomensurável para a campanha de Biden. Big Tech deve ser investigado pela FEC para essas contribuições de campanha em espécie para a campanha de Biden. O RNC apresentou um relatório sobre isso , então vamos esperar que a FEC tome medidas.

A Big Tech teve desempenho recorde no mercado de ações sob a administração Trump e como eles estão retribuindo?

Ajudando os democratas a espalhar a narrativa do embuste russo.

Ao “checar os fatos” dele e não de Joe Biden.

Censurando links para notícias que expõem a corrupção de Biden.

O presidente pode e deve acabar com os monopólios da Big Tech, em particular o duopólio da Apple e do Google na distribuição de aplicativos móveis, junto com o duopólio do Facebook e do Google na publicidade e pesquisa online. O único grande motivo para ele não ter feito isso é porque as ações da Big Tech representam uma parte significativa do crescimento do mercado de ações que ele gosta de promover.

Se o mercado precisa ser atingido para destruir uma ameaça doméstica à liberdade e ao fluxo de informações online, que assim seja. Não adoramos o mercado de ações na América, adoramos o Deus Todo-Poderoso. Seus ganhos de 401k não valem o futuro da República, desculpe.

Meu ponto é: não caia na narrativa da Seção 230. É uma distração. Há muitas outras coisas que podem ser feitas para impedir a tirania da Big Tech. 

O presidente subestima muito a influência que exerce online. Antitruste, investigações da FEC e mais à parte: se o presidente fosse promover plataformas de tecnologia de liberdade de expressão como Gab , o panóptico da Big Tech entraria em colapso e rapidamente.

Só espero que o presidente perceba isso antes que seja tarde demais.

Temo que seu tempo nas plataformas Big Tech esteja se esgotando rapidamente.

Deus abençoe,

Andrew Torba
CEO, Gab.com
16 de outubro de 2020
Jesus é Rei

Hits: 0

REVISTA ELETRÔNICA

Denunciamos desinformação na web desde 2009

DESDE 2009 DENUNCIANDO DESINFORMAÇÃO NA WEB

Nós ainda não sabíamos que estávamos sob censura, ela era praticada através de algoritmos e “regras” bizarras,  que colocavam na invisibilidade alguns conteúdos. Fomos descobrindo sobre os algoritmos aos poucos, pois os donos das Gigantes da TI beneficiavam-se com o privilégio de um conhecimento que não compartilhavam com os meros mortais: nós, os usuários.  Só 10 anos depois fomos descobrir o que significa “SHADOW BAN”! Demoramos também a identificar os critérios usados para escolher os conteúdos a serem silenciados.
Vamos publicar aqui, numa série de artigos documentados, todo o processo crescente da censura na web, desde a sutil evanescência de conteúdos contrários aos interesses do Vale do Silício, até a censura ostensiva, ao excluir, em 2018/19, perfis e canais de comunicação que usavam as Redes Sociais como propagadoras auxiliares de seu conteúdo, tais como Alex Jones e Paul Joseph Watson, entre tantos outros pelo mundo afora. Faremos isso como um registro histórico de um tempo em que se cumpriu a profecia de George Orwell: “EM TEMPOS DE EMBUSTES UNIVERSAIS, DIZER A VERDADE É UM ATO REVOLUCIONÁRIO”. 

Autor do livro 1984 prevê o uso da desinformação para engenharia social
Jornalistas censurados pelas Redes Sociais

Adotamos o termo “TROLAR” para definir o efeito que a desinformação produz nas massas manipuladas, quando usada como arma por terroristas. Nós somos TROLADOS por mentiras, informações falsas, por omissão de informações fundamentais… mas desde quando? Qual a origem desta estrategia de guerra? Este é o motivo pelo qual o canal de Alex Jones chama-se INFO WARS.  No século XXI a guerra é feita através da propagação de falsas “pesquisas”, falsas ideologias, falsos conceitos, informações equivocadas, e principalmente pela só agora conhecida estratégia de construir falsas narrativas e versões paralelas, e substituir os fatos por FACTÓIDES
Então, quando nos tornamos investigadores de FAKE NEWS, denunciando a DESINFORMAÇÃO EM MASSA, fomos acusados de “TEÓRICOS DA CONSPIRAÇÃO”. Colocaram em nossas cabeças um chapéu de cone de papel alumínio, procuraram destruir nossas reputações e, claro, nos acusaram de cometer o crime que nós denunciamos:  Nos acusaram de disseminar DESINFORMAÇÃO! Agora nós éramos os produtores de FAKE NEWS, por expor as falsas narrativas e denunciar os EMBUSTES UNIVERSAIS, dos quais falou-nos Orwell, no início do século passado.
Isso significa que temos pelo menos 100 anos de trolagem comprovada na HIstória da Humanidade… Então fomos pesquisar onde estavam os pontos estratégicos dos EMBUSTES UNIVERSAIS. É o que temos feito nos últimos 10 anos. Tivemos nosso primeiro website invadido centenas de vezes, antes de nossos perfis nas Redes Sociais começarem a ser silenciados e finalmente banidos. Paramos de alimentar os conteúdos e descontinuamos a REVISTA ELETRÔNICA, mantendo o novo website apenas com PORTFÓLIO por algum tempo, aguardando o desfecho da caça às bruxas. Devido aos algoritmos nossos perfis e fanpages tinham apenas 4 a 5 mil seguidores, nosso prejuízo não foi tão grande quanto o de outros canais que ajudaram, por exemplo, na eleição de JAIR MESSIAS BOLSONARO, e na eleição de DONALD TRUMP, o que provocou a retaliação imediata do Vale do Silício aos canais de conteúdo conservador. O efeito desta ação conjunta e voluntária nas Redes Sociais, que fortaleceu a articulação da Sociedade Civil na defesa das liberdades, tanto ideológicas, quanto civis e financeiras, obrigou os discretos censores dos algoritmos silenciosos a ficarem expostos, como censores que de fato eram, e defensores dos interesses de progressistas, socialistas e esquerdistas, determinados a impedir que os conservadores cruzassem seus discursos, suas informações, nem que pudessem se  articular pelas Redes Sociais.
Daremos continuidade a nossa narrativa através de nossos artigos, registrando as arbitrariedades de uma Suprema Corte que se mostrou tendenciosa em favor de interesses socialistas no Brasil, mantendo, porém, nosso olhar não só no Brasil, mas em todo o mundo, pois identificamos e denunciamos em 2012 uma ação coordenada desta estratégia, aplicada em vários países pelo mundo todo, o que nos fez ampliar nosso olhar para apontar a característica globalista desta TROLAGEM, pois de acordo com Orwell, ela é UNIVERSAL.

Hits: 11

DESINFORMAÇÃO COMO ARMA DO TERRORISMO

QUEM É ION MIHAI PACEPA

– Ele já foi o braço direito de Nicolae Ceausescu, o presidente da Romênia comunista. Foi integrante do topo da elite soviética, conviveu e socializou com Nikita Khrushchev, Mao Zedong e Fidel Castro. Era um homem abastado com estabilidade e prestígio. No entanto, em 1978, Pacepa deixou tudo isso para trás e desertou para os Estados Unidos, onde se tornou uma fonte inestimável de informações para os funcionários da Inteligência dos Estados Unidos.
Ceausescu não acreditou quando soube que Pacepa tinha desertado. Quando a verdade aflorou, ele teve um colapso, e colocou uma recompensa de US$ 2 milhões pela cabeça do desertor. O infame assassino Carlos, o Chacal, foi um dos vários assassinos que foram enviados sem sucesso para eliminar Pacepa. Ele passou três anos em interrogatórios. A princípio, os agentes da CIA tiveram que convencer o presidente Jimmy Carter a não devolvê-lo à Romênia, o que seria o mesmo que assinar sua sentença de morte. Jimmy Carter confiava em Ceausescu e não acreditava nas denúncias de Pacepa, e até proibiu que  fossem publicadas. Esta atitude de Carter dá o que pensar…
As coisas mudaram quando o presidente Ronald Reagan assumiu o cargo. Ele autorizou Pacepa a publicar sua história, que foi lançada em um livro, amplamente traduzido intitulado “Red Horizons”.

Livro denúncia sobre crimes e corrupção de Nicolae Ceausescus
Ion Mihai Pacepa revela uso da desinformação como arma terrorista

Reagan leu o livro e gostou tanto que chegou a chamá-lo de “manual para lidar com ditadores”. Logo depois de ser publicado, foi traduzido para o romeno, contrabandeado para aquela nação, secretamente impresso e amplamente distribuído por lá. A Radio Free Europe transmitiu para a Romênia sua leitura em uma série de capítulos.
Em 1989, 11 anos após sua deserção, Pacepa tornou-se cidadão dos Estados Unidos. Naquele dia, ele recebeu uma carta assinada pelo vice-diretor de operações da CIA, afirmando que ele havia “feito uma contribuição importante e única para os Estados Unidos”, da qual ele poderia “se orgulhar com justiça”. Ele foi creditado pela CIA. como sendo a única pessoa no mundo ocidental que havia demolido sozinho um serviço de espionagem inimigo – o que ele próprio havia administrado, o Directia Informatii Externe (DIE) da Romênia.
Naquele Natal, Ceausescu e sua esposa Elena foram executados, após uma audiência em que a maioria das acusações veio diretamente do livro de Pacepa. Uma semana depois, o novo jornal oficial romeno Adevărul (A Verdade) escreveu que “Red Horizons” “desempenhou um papel incontestável na derrubada de Ceausescu”.
Quanto ás razões que o levaram a tomar tal decisão, ele atribui ao seu interesse vitalício em todas as coisas americanas, a cultura, o estilo de vida, e também à necessidade de evitar uma ordem que ele recebera para supervisionar um assassinato, além do desejo de retificar toda a desinformação que ele passara a maior parte de sua carreira criando.
Essas retificações  incluíam a denúncia de que Ceausescu não era um aliado novo e confiável do Ocidente, mas um cruel tirano que só defendia os próprios interesses; que a inteligência soviética havia promovido fortemente a história de que a CIA matou o presidente John F. Kennedy e publicou a falsa história de que eles não estavam interessados em Lee Harvey Oswald quando ele desertou para a União Soviética; que a ideia de um papa ter sido cúmplice no Holocausto foi outra invenção do Kremlin; e que a KGB cultivou intencionalmente o antissemitismo no Oriente Médio com o propósito expresso de armar o terrorismo islâmico contra Israel e os Estados Unidos. 
Estes são pilares da cultura progressista ocidental do final do século XX, factóides largamente promovidos em filmes, livros e difundidos através de ideologias esquerdistas, que formaram a opinião de várias gerações, a começar pelos contemporâneos da Revolução Cubana até hoje. Nós sabemos as calamidades que esta manipulação de ideias, difusão de factoides e falsas narrativas trouxeram para os jovens daquele tempo, e seus filhos, como cresceu a degradação da sociedade, o consumo de  álcool, drogas, a falta de interesse por capacitação profissional e produtividade, até chegar no Movimento HIppie, quando tudo isso foi coroado com a ideologia de “Sexo, Drogas e Rock&Roll”. Ninguém ligou a causa ao efeito.
Você pode encontrar este livro em PDF aqui na nossa >>BIBLIOTECA ONLINE<<, para ler aqui, ou fazer download GRÁTIS!

Hits: 2