Bolsonaro proíbe barragens como as de Mariana e Brumadinho

BOLSONARO PROIBE BARRAGENS "A MONTANTE"

A Lei 14.066/20 , sancionada por Bolsonaro em 1º de outubro de 2020, proíbe o uso de barragens construídas pelo método chamado “a montante”, quando a construção ocorre por meio do acréscimo de camadas sucessivas de degraus com o próprio material de rejeito de mineração sob o dique inicial, estrutura esta usada nas barragens que romperam em Mariana e Brumadinho, além de várias outras construídas pela Vale, espalhadas por todo o estado de Minas Gerais.

Próximo à Zona Metropolitana de Belo Horizonte existem de 10 a 15 barragens deste tipo, que somadas às que foram construídas em cidades vizinhas, chegam ao total de 49 barragens, muitas delas do tipo “a montante”, das quais pelo menos 5 estão em estado crítico de segurança. Isto só veio a público após a tragédia de Brumadinho, pois até então estas barragens recebiam laudos de segurança falsos. Durante as investigações em Brumadinho algumas pessoas foram presas e os laudos de segurança passaram a ser negados para as mineradoras. Só então a Vale foi obrigada a mudar seu procedimento com relação à transparência das medidas de segurança. 

Ainda hoje há dificuldade em ter acesso aos mapas de previsão das inundações e rotas de fuga, em caso de ruptura das barragens da Vale em Minas Gerais, conforme relatado em  REPORTER BRASIL, que disponibilizou o mapeamento das chamadas ZAS (Zonas de “Autossalvamento”), áreas previstas para serem atingidas em até 30 minutos em caso de rompimentos de barragens, antes que possam ser socorridas pela Defesa Civil. VEJA O MAPA AQUI >>> MAPA DAS CIDADES MINEIRAS COM BARRAGENS DA VALE

Em ato revolucionário, o Presidente Bolsonaro proporciona ao Brasil uma nova Política Nacional de Segurança das Barragens (PNSB) através da Lei sancionada, que surgiu do PL 550/2019 apresentado pela senadora Leila Barros (PSB-DF) após o rompimento da barragem da Vale em Brumadinho, em janeiro de 2019, que deixou 259 mortos e 11 desaparecidos.

Três anos antes, em 2015, outro rompimento, dessa vez na Barragem de Fundão, em Mariana, matou 19 pessoas e deixou um rastro de destruição incalculável ao meio ambiente. Os rejeitos do empreendimento controlado pela Samarco Mineração, em conjunto com a Vale e a anglo-australiana BHP foram levados pelo Rio Doce, cuja bacia hidrográfica abrange 230 municípios de Minas Gerais e do Espírito Santo, até atingir o litoral.

Todas as barragens “a montante” devem ser desativadas até 25 de fevereiro de 2022. O  prazo só poderá ser prorrogado em razão de inviabilidade técnica para a desativação no período previsto, desde que a decisão, para cada estrutura, seja referendada pela autoridade licenciadora do Sistema Nacional do Meio Ambiente (Sisnama).

Veja todos os detalhes desta lei revolucionária no site do SENADO FEDERAL, fonte de grande parte das informações deste artigo.

Hits: 0

REVISTA ELETRÔNICA

Denunciamos desinformação na web desde 2009

DESDE 2009 DENUNCIANDO DESINFORMAÇÃO NA WEB

Nós ainda não sabíamos que estávamos sob censura, ela era praticada através de algoritmos e “regras” bizarras,  que colocavam na invisibilidade alguns conteúdos. Fomos descobrindo sobre os algoritmos aos poucos, pois os donos das Gigantes da TI beneficiavam-se com o privilégio de um conhecimento que não compartilhavam com os meros mortais: nós, os usuários.  Só 10 anos depois fomos descobrir o que significa “SHADOW BAN”! Demoramos também a identificar os critérios usados para escolher os conteúdos a serem silenciados.
Vamos publicar aqui, numa série de artigos documentados, todo o processo crescente da censura na web, desde a sutil evanescência de conteúdos contrários aos interesses do Vale do Silício, até a censura ostensiva, ao excluir, em 2018/19, perfis e canais de comunicação que usavam as Redes Sociais como propagadoras auxiliares de seu conteúdo, tais como Alex Jones e Paul Joseph Watson, entre tantos outros pelo mundo afora. Faremos isso como um registro histórico de um tempo em que se cumpriu a profecia de George Orwell: “EM TEMPOS DE EMBUSTES UNIVERSAIS, DIZER A VERDADE É UM ATO REVOLUCIONÁRIO”. 

Autor do livro 1984 prevê o uso da desinformação para engenharia social
Jornalistas censurados pelas Redes Sociais

Adotamos o termo “TROLAR” para definir o efeito que a desinformação produz nas massas manipuladas, quando usada como arma por terroristas. Nós somos TROLADOS por mentiras, informações falsas, por omissão de informações fundamentais… mas desde quando? Qual a origem desta estrategia de guerra? Este é o motivo pelo qual o canal de Alex Jones chama-se INFO WARS.  No século XXI a guerra é feita através da propagação de falsas “pesquisas”, falsas ideologias, falsos conceitos, informações equivocadas, e principalmente pela só agora conhecida estratégia de construir falsas narrativas e versões paralelas, e substituir os fatos por FACTÓIDES
Então, quando nos tornamos investigadores de FAKE NEWS, denunciando a DESINFORMAÇÃO EM MASSA, fomos acusados de “TEÓRICOS DA CONSPIRAÇÃO”. Colocaram em nossas cabeças um chapéu de cone de papel alumínio, procuraram destruir nossas reputações e, claro, nos acusaram de cometer o crime que nós denunciamos:  Nos acusaram de disseminar DESINFORMAÇÃO! Agora nós éramos os produtores de FAKE NEWS, por expor as falsas narrativas e denunciar os EMBUSTES UNIVERSAIS, dos quais falou-nos Orwell, no início do século passado.
Isso significa que temos pelo menos 100 anos de trolagem comprovada na HIstória da Humanidade… Então fomos pesquisar onde estavam os pontos estratégicos dos EMBUSTES UNIVERSAIS. É o que temos feito nos últimos 10 anos. Tivemos nosso primeiro website invadido centenas de vezes, antes de nossos perfis nas Redes Sociais começarem a ser silenciados e finalmente banidos. Paramos de alimentar os conteúdos e descontinuamos a REVISTA ELETRÔNICA, mantendo o novo website apenas com PORTFÓLIO por algum tempo, aguardando o desfecho da caça às bruxas. Devido aos algoritmos nossos perfis e fanpages tinham apenas 4 a 5 mil seguidores, nosso prejuízo não foi tão grande quanto o de outros canais que ajudaram, por exemplo, na eleição de JAIR MESSIAS BOLSONARO, e na eleição de DONALD TRUMP, o que provocou a retaliação imediata do Vale do Silício aos canais de conteúdo conservador. O efeito desta ação conjunta e voluntária nas Redes Sociais, que fortaleceu a articulação da Sociedade Civil na defesa das liberdades, tanto ideológicas, quanto civis e financeiras, obrigou os discretos censores dos algoritmos silenciosos a ficarem expostos, como censores que de fato eram, e defensores dos interesses de progressistas, socialistas e esquerdistas, determinados a impedir que os conservadores cruzassem seus discursos, suas informações, nem que pudessem se  articular pelas Redes Sociais.
Daremos continuidade a nossa narrativa através de nossos artigos, registrando as arbitrariedades de uma Suprema Corte que se mostrou tendenciosa em favor de interesses socialistas no Brasil, mantendo, porém, nosso olhar não só no Brasil, mas em todo o mundo, pois identificamos e denunciamos em 2012 uma ação coordenada desta estratégia, aplicada em vários países pelo mundo todo, o que nos fez ampliar nosso olhar para apontar a característica globalista desta TROLAGEM, pois de acordo com Orwell, ela é UNIVERSAL.

Hits: 11

DESINFORMAÇÃO COMO ARMA DO TERRORISMO

QUEM É ION MIHAI PACEPA

– Ele já foi o braço direito de Nicolae Ceausescu, o presidente da Romênia comunista. Foi integrante do topo da elite soviética, conviveu e socializou com Nikita Khrushchev, Mao Zedong e Fidel Castro. Era um homem abastado com estabilidade e prestígio. No entanto, em 1978, Pacepa deixou tudo isso para trás e desertou para os Estados Unidos, onde se tornou uma fonte inestimável de informações para os funcionários da Inteligência dos Estados Unidos.
Ceausescu não acreditou quando soube que Pacepa tinha desertado. Quando a verdade aflorou, ele teve um colapso, e colocou uma recompensa de US$ 2 milhões pela cabeça do desertor. O infame assassino Carlos, o Chacal, foi um dos vários assassinos que foram enviados sem sucesso para eliminar Pacepa. Ele passou três anos em interrogatórios. A princípio, os agentes da CIA tiveram que convencer o presidente Jimmy Carter a não devolvê-lo à Romênia, o que seria o mesmo que assinar sua sentença de morte. Jimmy Carter confiava em Ceausescu e não acreditava nas denúncias de Pacepa, e até proibiu que  fossem publicadas. Esta atitude de Carter dá o que pensar…
As coisas mudaram quando o presidente Ronald Reagan assumiu o cargo. Ele autorizou Pacepa a publicar sua história, que foi lançada em um livro, amplamente traduzido intitulado “Red Horizons”.

Livro denúncia sobre crimes e corrupção de Nicolae Ceausescus
Ion Mihai Pacepa revela uso da desinformação como arma terrorista

Reagan leu o livro e gostou tanto que chegou a chamá-lo de “manual para lidar com ditadores”. Logo depois de ser publicado, foi traduzido para o romeno, contrabandeado para aquela nação, secretamente impresso e amplamente distribuído por lá. A Radio Free Europe transmitiu para a Romênia sua leitura em uma série de capítulos.
Em 1989, 11 anos após sua deserção, Pacepa tornou-se cidadão dos Estados Unidos. Naquele dia, ele recebeu uma carta assinada pelo vice-diretor de operações da CIA, afirmando que ele havia “feito uma contribuição importante e única para os Estados Unidos”, da qual ele poderia “se orgulhar com justiça”. Ele foi creditado pela CIA. como sendo a única pessoa no mundo ocidental que havia demolido sozinho um serviço de espionagem inimigo – o que ele próprio havia administrado, o Directia Informatii Externe (DIE) da Romênia.
Naquele Natal, Ceausescu e sua esposa Elena foram executados, após uma audiência em que a maioria das acusações veio diretamente do livro de Pacepa. Uma semana depois, o novo jornal oficial romeno Adevărul (A Verdade) escreveu que “Red Horizons” “desempenhou um papel incontestável na derrubada de Ceausescu”.
Quanto ás razões que o levaram a tomar tal decisão, ele atribui ao seu interesse vitalício em todas as coisas americanas, a cultura, o estilo de vida, e também à necessidade de evitar uma ordem que ele recebera para supervisionar um assassinato, além do desejo de retificar toda a desinformação que ele passara a maior parte de sua carreira criando.
Essas retificações  incluíam a denúncia de que Ceausescu não era um aliado novo e confiável do Ocidente, mas um cruel tirano que só defendia os próprios interesses; que a inteligência soviética havia promovido fortemente a história de que a CIA matou o presidente John F. Kennedy e publicou a falsa história de que eles não estavam interessados em Lee Harvey Oswald quando ele desertou para a União Soviética; que a ideia de um papa ter sido cúmplice no Holocausto foi outra invenção do Kremlin; e que a KGB cultivou intencionalmente o antissemitismo no Oriente Médio com o propósito expresso de armar o terrorismo islâmico contra Israel e os Estados Unidos. 
Estes são pilares da cultura progressista ocidental do final do século XX, factóides largamente promovidos em filmes, livros e difundidos através de ideologias esquerdistas, que formaram a opinião de várias gerações, a começar pelos contemporâneos da Revolução Cubana até hoje. Nós sabemos as calamidades que esta manipulação de ideias, difusão de factoides e falsas narrativas trouxeram para os jovens daquele tempo, e seus filhos, como cresceu a degradação da sociedade, o consumo de  álcool, drogas, a falta de interesse por capacitação profissional e produtividade, até chegar no Movimento HIppie, quando tudo isso foi coroado com a ideologia de “Sexo, Drogas e Rock&Roll”. Ninguém ligou a causa ao efeito.
Você pode encontrar este livro em PDF aqui na nossa >>BIBLIOTECA ONLINE<<, para ler aqui, ou fazer download GRÁTIS!

Hits: 2